quinta-feira, 31 de julho de 2008

Vote consciente.

Este texto tem como objetivo o exercício da cidadania; ao mesmo tempo é uma carta aberta à população, isenta de política partidária.

Faz-se oportuno recordar certos aspectos políticos que influenciam a vida em sociedade:
A prática da corrupção consolida-se no corruptível.
É sabido que a população associa políticos à corrupção...(o que é o indivíduo é o povo).

Observem a prática de grande número de eleitores que pedem: dinheiro, coisas materiais, empregos, etc., aos candidatos... O corrompido que recorre a este useiro e vezeiro modus operandi alimenta a corrupção no país...e mais: fica devendo favor ao eleito, que outrossim torna-se o seu senhor...

Os 160 bilhões de reais/ano (isto no país), que são desviados dos cofres públicos para: corrupções, improbidades administrativas, enriquecimentos ilicitos, etc., poderiam ser usados em benefício do próprio povo, através de melhorias: na educação, saúde, segurança, moradias, salários mais dignos, etc...

É justo o povo trabalhar para sustentar a corrupção?

A conciliação da política com a generosidade é possível, o que a serve como base é uma atitude própria dos grandes homens...que certamente não são aqueles que compram o voto...

Será um passo à frente no dia em que o povo ignorar as pesquisas eleitorais, votar sem interesses escusos e de acordo com sua consciência.

Com referência a quem compra o voto:
Que mérito tem?
Para os problemas da população, lembram da música?:
"Tô nem aí"... (ele só quer enriquecer-se).

Com referência a quem vende o voto:
Esteja ciente de que pode ajudar a eleger alguém que pretende viver de roubo.

NÃO SE HUMILHE VENDENDO O SEU VOTO.

DIGNIDADE NÃO SE COMPRA.

















sexta-feira, 11 de julho de 2008

A Educação e os Três Cérebros.

Começo com os três cérebros, argumento esotérico que considero satisfatório.
Esclareço que os assuntos estão também encadeados com o meu próprio parecer.
O 1º cérebro está encerrado na caixa craniana, é o centro do pensar, do intelecto.
O 2º cérebro é concreto, pois corresponde à espinha dorsal, medula central e todos os seus ramos nervosos, é o centro motor.
O 3º cérebro está em conformidade com o centro emocional: sentir.
Resumindo:
Pensar; Intelecto/ Movimento; Conhecimento/ Sentir.
Quando os três cérebros estão em equilíbrio, estabiliza-se uma boa qualidade de vida.
O gasto excessivo de qualquer uma das energias, em algum dos três cérebros pode levar a desequilíbrios.
O uso excessivo da energia intelectual pode conduzir à alienação, ou ao manicômio.
O gasto exagerado da energia motriz pode ser ruinoso, e conduzir à invalidez, hemiplagia, paraplegia, redução dos movimentos, etc.
Os que abusam do cérebro emocional são os fanáticos pelas músicas, pseudo-artistas sensuais da arte, doentes passionais da sensualidade, psicopatas sexuais, etc.
No tocante ao centro emocional, o sentir entendo e incluo valores morais, espirituais como: meditar, orar, etc.
A morte se processa à terça parte em cada pessoa; toda enfermidade inicia-se em algum dos três cérebros.
O afastamento de valores espirituais, bem como o culto do ego, causam a degeneração.
Existe, com efeito, música produto da degeneração humana.
Cito aqui a singela "Égüinha Pocotó", visto que estabelece uma identidade com a criançada pela ingenuidade; não a considero produto da degeneração humana...
Acho que quem lê entendeu...

Discorrendo uma fração da educação, dentro do senso comum:
Para o professor: atividades exclusivamente intelectuais, até a exaustão.
Para o aluno (que não é o estudante neste caso): Atividades exclusivamente do centro emocional.

Para quem tem discernimento:
Escola é lugar de aprendizagem, de trabalho... não é lugar de diversão...

Considerando que o equilíbrio do uso dos três cérebros regeneram, isto aumenta a probabilidade de muitos acharem seus valores, princípios...

Retrocedendo à "Égüinha Pocotó", que particularmente acho-a inofensiva e divertida pela sonoridade...
A obra musical, se é que podemos chamá-la assim, resultante da degeneração humana, quem lê dificilmente não sabe qual é...

Se o objetivo da escola não é ensinar, como ela se justifica?






























segunda-feira, 7 de julho de 2008

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Carta aberta aos parlamentares.

A minha sugestão é que se mudem as leis, para que o indivíduo que tenha ficha-suja, candidatando-se a um cargo político, se eleito e considerado culpado pela justiça, seja criminalizado também por candidatar-se nestas condições.
Dizem que projetos sobre este assunto já existem há 14 anos no parlamento...de repente já tem algum pronto e adequado aí, com um pouco de boa vontade quem sabe conseguem aprová-lo.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Lançando uma idéia.

A sugestão que faço:
Que os candidatos ficha-suja, ou que estejam sendo julgados, em caso de serem considerados culpados pela justiça, sejam penalizados com rigor.
Acabar com a imunidade parlamentar, em caso de crime ocorrido antes de ser eleito, em qualquer das três esferas: Municipais, Estaduais, Federal.
Ser o indivíduo criminalizado também por ter concorrido a cargo político enquanto aguardava parecer da justiça simultâneamente, e posteriormente ter sido considerado culpado.
Sabemos que criminosos candidatam-se ao parlamento buscando a imunidade parlamentar, para fugir da justiça e de suas responsabilidades.
Evidente que acho necessário bom senso, concordo que a inviolabilidade seja mantida nos casos das expressões de opiniões, palavras dos parlamentares...etc...
Pergunto: Por que criminosos merecem tanta consideração?
No dia em que o indivíduo for criminalizado pelo fato de ter concorrido a cargo político, tendo ficha-suja e sendo considerado culpado pela justiça, daí quem sabe tenham mais prudência ao ter mais esta responsabilidade.
Considero que neste caso, caberia a cassação do mandato e suspensão vitalícia ao direito de mandatos.
Já não é sem tempo de ser o povo o único a pagar a conta...