sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Cogitando um caminho para a crise.

Analisando trecho da obra do pensamento deslumbrante de Henry Thoreau (Massachusetts, 1817/ 1862), autor do belíssimo livro: Walden ou A Vida Nos Bosques, e do ensaio: A Desobediência Civil, fonte de inspiração para um caminho fora do neoliberalismo.
De descendência francesa e escocesa, Henry Thoreau influenciou Gandhi e o movimento hippie; encanta e norteia adolescentes rebeldes, cativa intelectuais... Suas idéias propagam-se principalmente entre os anarquistas e atualmente nas campanhas do voto nulo aqui no Brasil.
Henry Thoreau foi o precursor da atitude de resistência passiva, contribuindo assim na luta pela independência da Índia e origem de reivindicações sociais como as greves; foi preso por não pagar impostos, e não pagava porque o dinheiro deste tributo era usado para financiar a escravidão.

Abaixo transcrevo trechos do ensaio: A Desobediência Civil:


...
Um governo é, se tanto, um recurso conveniente; mas muitos governos são sempre, e todos em algumas ocasiões, inconvenientes.
...
Os governos mostram assim com que êxito os homens podem ser ludibriados, e até ludibriar a si mesmo, em seu próprio benefício. Ótimo convenhamos.
...
Pois o governo é um expediente diante do qual os homens de bom grado lograriam deixar um ao outro em paz: e, como já foi dito, ele é tanto mais expedito quanto mais deixa em paz seus governados.
...
Acho que devemos em primeiro lugar ser homens, e só depois súditos. Não é desejável que se cultive um respeito à lei igual ao que se cultiva pelo que é correto. A única obrigação que tenho direito de assumir é a de fazer a todo momento o que julgo correto.
...
-como a maioria dos legisladores, políticos, advogados, sacerdotes e funcionários- servem ao estado sobretudo com a cabeça; e, como eles raramente fazem distinções de ordem moral, é bem provável que sirvam ao Demônio, como servem a Deus, sem a menor intenção.
...
Todos os homens reconhecem o direito à revolução, isto é, o direito de recusar sujeição ao governo e de resistir quando sua tirania ou incompetência são em alto grau e insuportáveis.
...
Se eu arranquei injustamente a prancha de um homem em vias de se afogar, devo devolver-lhe ainda que eu me afogue.
...
Há novecentos e noventa e nove patronos da virtude para cada homem virtuoso. Porém é mais fácil lidar com o verdadeiro possuidor de uma coisa do que com seu guardião temporário.
...
Se este ano mil homens se recusassem a pagar impostos, isso não seria medida violenta ou sanguinária, como seria pelo contrário pagá-los, possibilitando assim o Estado a cometer violência e derramar sangue inocente. Esta é, na realidade, a proposta de uma revolução pacífica, se tal é possível. Se o coletor de impostos, ou qualquer outro funcionário público, me pergunta, como já me perguntou: "Mas o que é que eu vou fazer?", minha resposta é: "Se realmente deseja fazer alguma coisa, renuncie ao cargo". Quando o súdito negar o dever de obediência e o funcionário renunciar a seu cargo, realizou-se a revolução.
...
No caso de alguém que vivesse totalmente sem o uso do dinheiro, o próprio Estado hesitaria em cobrar-lhe. Mas o homem rico- sem fazer qualquer comparação invejosa- está sempre vendido à instituição que o enriquece. Em termos absolutos, quanto mais dinheiro, menos virtude.
...
Não nasci para que me forcem a coisa alguma. Respirarei à minha moda. Vejamos quem é o mais forte. Que força tem a multidão?
...
Se uma planta não pode viver de acordo com a sua natureza, morre; e assim o homem.
...
Estadistas e legisladores, mergulhados da cabeça aos pés dentro da instituição, nunca a contemplam de maneira definida e franca. Falam de mudar a sociedade, mas não contam com nenhum lugar de repouso fora dela.
...








































Um comentário:

oqueosjovenspensamsobre disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.